Não menospreze o LinkedIn

Tempo de leitura: 5 minutos

LinkedIn tem crescido de forma estrondosa nos últimos anos, principalmente em 2014, crescimento este que percebemos quando lemos dados como: há 2 novos usuários por segundo. Claro que não devemos nos ater a este tipo de dado, mas se ponderarmos que atualmente o Brasil possui mais de 25MM de usuários, tirando os por menores (contas inativas, ‘fakes’ e incompletas) é um fator a ser considerado.

Se usássemos a famosa regra de Pareto (80/20) levantariamos a hipótese de que cerca de 5MM (20%) de usuários brasileiros seriam responsáveis pelas maiores interações nesta rede. Mas me arrisco a dizer que menos de 10% realmente entendem e desfruta do real valor do LinkedIn e de seu potencial.

Usuários, estes, que buscam validar sua ‘prova social’, que exploram as suas conexões por meio de interações baseadas no “ganha-ganha”, ou seja, através do compartilhar de conhecimentos, troca de experiências, o interesse na conexão. Pessoas que entendem que o LinkedIn é uma rede social profissional, mas como toda rede, é composta de pessoas, rede baseada em conexões entre pessoas e a genuína intenção de colaboração.

Esqueça a estória de usar o LinkedIn apenas quando perdeu o emprego ou pretende buscar uma nova oportunidade. Esta rede transcende o simplório estereótipo de ‘Banco de vagas e oportunidades de emprego’, muito menos o rótulo de ‘currículo virtual’.

Não sei precisar ao certo se estes pré conceitos da maioria dos usuários derivam de um comportamento cultural ou qualquer outro fator, ou até mesmo uma mentalidade retrógrada relacionada ao âmbito profissional, pois ainda costumo testemunhar situações de resistência (tanto no Off quanto no On) nas interações interpessoais, pressupondo que se um profissional contata outro possui apenas interesse de pleitear um novo emprego. [Este assunto é muito bem explorado pelo Galileu Nogueira no seu artigo O e-mail que me levou até a sede do Google em São Francisco]

Que tal ser um destes usuários que faz “burburinho” na rede?

Aceite que conexões são pessoas antes de tudo, possuem comportamento e cultura diferentes e necessitam de interação.

Alguns passos para ajudá-lo a usufruir melhor o LinkedIn:

Updates

São as postagens mais curtas geralmente são compartilhamentos de matérias e artigos, algum infográfico ou imagens com citações.
Recomendo postar ou compartilhar pelo menos 1 vez ao dia, mesmo que não acesse com freqüência, utilize o app do LinkedIn e quando ler algum artigo interessante e que ache relevante compartilhar com suas conexões, faça isso.

Publicações (Long-Form Post)

Está é uma opção que atualmente foi habilitada à todos os usuários (se ainda não tiver acesso o truque é alterar o idioma da plataforma para Inglês).
Essa plataforma lhe possibilita escrever “postagens longas”, como uma seção de blog no seu perfil. Aconselho escrever sobre assuntos relevantes à sua rede de conexões, segmento ou profissão. Porém os textos que possuem mais engajamento (visualizações, compartilhamentos e comentários) são os que descrevem situações que você vivenciou, contar experiências em torno de um tema.

Grupos

Você pode participar como membro de até 50 grupos, são muito parecidos com fóruns de discussão, eles possuem sempre um assunto chave, podem ser sobre uma determinada profissão, um segmento de atuação, de ex-alunos de um curso ou universidade.
Lá você pode compartilhar conteúdo, iniciar debates sobre temas correlacionados ao grupo e participar de outras discussões.

Apresentação (Introduction)

Um comportamento raro na rede, não estou falando daquela opção de pedir para uma conexão de 1° grau lhe apresentar à um outro contato (que está conectada com essa sua conexão de 1° grau) [confuso não?!]
Mas não é a isso que quero me ater, estou falando de você gerir as suas conexões e servir de ‘conector’ entre seus contatos, através de algumas conversas você percebe que 2 ou mais contatos podem se beneficiar ao se conectarem. E nada melhor do que alguém em comum pra os apresentarem, para fazer tal procedimento é simples:
Abra uma caixa de mensagem -> no campo de destinatário coloque os nomes dos contatos -> Escreva o motivo pelo qual você acha válido que se conectem e  uma breve apresentação de cada um.

Recomendações

São ‘testemunhos’ da competência, profissionalismo e personalidade de um profissional. Aqui o ditado ‘É dando que se recebe’ é muito válido.
O ponto aqui não é conseguir o máximo de recomendações possíveis (claro que um dos itens que o LinkedIn leva em conta para indicar que você tem um Perfil Campeão é no mínimo 3 recomendações). A questão é você em relação às suas conexões, recomende seus contatos sem esperar uma em troca, não caia na armadilha da reciprocidade neste caso.
Seja sincero nas recomendações, nada de superficialidade: “Ele é um bom profissional e trabalha muito bem em equipe” [não é um Tweet, então use mais de 140 caracteres]

Skills & Endorsements

São suas habilidades e especializações, tanto técnicas quanto qualitativas. Quais são as mais adequadas para o seu perfil? Pense sempre nas ‘trends’ de seu segmento, profissão e cargo.
Use as que realmente você possua e/ou domine, pois suas conexões (de 1° grau) podem e vão lhe endossar baseados nas experiências diretas e indiretas com seu trabalho.
AhMas  endosso as habilidades e especializações de conexões que trabalhei?
Eu parto do ponto de vista que ao endossar um contato que não tive, ainda, a oportunidade de trabalhar diretamente, verifico se outra conexão (que confio e estimo) o endossou. Se sim, endosso-o. Porque considero a opinião de um contato em comum que confio.

E então o que está esperando?

[Quer refletir um pouco mais sobre o que tem feito no LinkedIn, leia o excelente artigo Afinal, o que você está fazendo no LinkedIn?” do Renato Galisteu]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *